30 – Voltando para casa

Quarta, 25 Março 2020 16:24
Versão para impressão

<<< Anterior...

Seu José e seus amigos do prédio central nos agradeceram o trabalho realizado e pediram que voltássemos tão logo pudéssemos. Dissemos que voltaríamos assim que possível, pois queríamos acompanhar o trabalho de recuperação dos Espíritos que se prontificaram a modificar seu curso de vida.

Os afilhados da avó Maria e a noiva de Pedro vieram se despedir. Estavam comovidos. Isso fez com que também nós nos comovêssemos. Lágrimas nos olhos, abraços e carinhos foi o que deixamos na despedida.

Quando estávamos de partida, chegaram Dona Joana e Seu Alfredo, com seus quatro filhos: dois meninos e duas meninas de quatro a nove anos.

- Estamos enviando os filhos para um estágio na Casa Remanso de Luz de sua cidade. A carruagem já está pronta para a viagem. Quem sabe vocês poderiam cuidar das crianças já que o Remanso está sob os seus cuidados – comentou Dona Joana.

Nesse momento a carruagem puxada por seis cavalos brancos, reluzentes, pelichados, aproximou-se e estacionou ao lado da calçada. O cocheiro, seu Fagundes, tirou o chapéu, nos cumprimentou e perguntou:

- Há quanto tempo que as senhoras não viajam comigo Maria Rosa e avó Maria? Acompanhem essas crianças e aproveitem o passeio. Esqueçam a volitação por hoje.

Olhei para avó Maria, que estava sorrindo, e perguntei:

- Por que não?

A avó Maria assentiu com a cabeça, olhou para o cocheiro e lhe disse:

- Enquanto viajamos, desejamos ouvir as músicas: “Cavalleria Rusticana”, “Ode à Alegria” e a música que chamamos de “Oriente Crescente”. Queremos apreciar as paisagens sublimes no entardecer ouvindo a voz de Deus falando a seus filhos.

Embarcamos na carruagem com as quatro crianças lindíssimas. Atravessamos o campo de gado, a floresta e chegamos ao campo perto dos portões. Pedimos para o cocheiro parar a carruagem por alguns minutos. Chamamos nosso amigo Dr. André Luiz que nos afirmou estar tudo sob controle e que logo todos os Espíritos do acampamento seriam conduzidos aos locais onde permaneceriam em recuperação. Estavam em fase adiantada dos trabalhos.

Encontramos o comandante Marcos e a família conversando com os seus ex-soldados, incentivando-os à recuperação. Ele sorriu e nos disse que nos reencontraríamos muito em breve, pois eles seguiriam na próxima manhã para o quartel onde permanece o exército do general Augusto. Sorrimos para eles e dissemos que logo voltaríamos a nos ver, pois os caminhos do Senhor são cheios de viajantes e estuantes de vida.

Pedimos ao cocheiro que tocasse em frente. A carruagem saiu da cidade e seguiu pela estrada iluminada. Em poucos minutos estávamos atravessando regiões de paisagens maravilhosas, carregadas de cores, na plenitude formosa da natureza tocada pela mão de Deus. A música nos embalava os sonhos completando o momento sublime em que a paz penetrava profundamente em nossos corações.

Nossa missão estava cumprida e só nos restava agradecer a Deus conduzindo até nossa cidade quatro lindos anjinhos impregnados de amor...


Médium: Luiz Marini

Espírito: Maria Rosa (Heroína do Contestado)

Janeiro de 2011.