02 – Na casa da avó Maria

Quarta, 25 Março 2020 16:52
Versão para impressão

<<< Anterior...

A manhã surgiu esplendorosa quando o sol começou a despontar no horizonte. Andorinhas, canários e pintassilgos singravam os céus celebrando a mensagem da vida e do amor divino entre as criaturas. Os campos enchiam-se de vida e frescor na manhã de luz. 

A casa branca com detalhes em azul parecia um castelo de sonhos no promontório cercado de verde dos pomares e do colorido das flores e folhagens do jardim. Com o alpendre rodeando toda a casa a visão tornava-se bela e disponível a todos os pontos cardeais. 

A casa da avó Maria fica num bairro de onde se vê ao leste os edifícios principais da cidade. Ao oeste, os principais pomares que fornecem os alimentos à população. Ao norte, pomares e hortas imensas e depois campos verdejantes. Ao sul estão dispostos hortas e pomares e em seguida pode-se ver outros bairros populosos. Estradas largas contornam a pequena elevação onde se ergue a residência e convergem em alamedas que conduzem à cidade. O local é simplesmente maravilhoso. 

Com a avó Maria convivem diversos Espíritos que lhe são muito afins e que juntos formam sua família espiritual. Também eu convivo com a avó Maria nesta casa maravilhosa. Nela moram três crianças que foram netos da avó Maria em encarnações passadas e que se chamam Luisinho, Julia e Lucas. Eles frequentam o lar de amor cristão onde dezenas de Espíritos, que mantêm a forma infantil, recebem aula e ensinamentos espirituais. Eles estão numa possibilidade de auxiliar nos trabalhos, incentivando as crianças a melhorar o aprendizado.

A manhã apenas começava a surgir e já podíamos ver centenas de Espíritos seguindo pelas ruas e alamedas para suas atividades diárias. Andavam em grupos, conversando animadamente, externando suas opiniões sobre os mais diferentes assuntos e expondo seus sonhos para o futuro.

Aqui o lugar é de trabalho e de aprendizado, de lazer e de sabedoria, de luta e de engajamento. Os Espíritos passam a compreender o verdadeiro valor da vida e o porquê de sua existência. Em retribuição, lutam para melhorar seus conhecimentos e seu coração. Daqui partem, seguidamente, dezenas de Espíritos para a reencarnação na Terra e o cumprimento de missão entre os homens.

As conversas animadas enchiam os ares. As ruas e alamedas estavam repletas de pessoas que iam e vinham enchendo de vida a cidade. Os Espíritos que lutam pela sua elevação são felizes e extravasam esse sentimento no sorriso cordial e na alegria do olhar.

A avó Maria recebe muitos Espíritos que chegam para receber um passe, tomar um copo de água fluida, comer um fruto sazonal ou obter um conselho para suas vidas. Nessa manhã já havíamos atendido dezenas de Espíritos, que, depois de um abraço afetuoso, seguiam para seus trabalhos. 

Dona Irma, seus dois filhos e três netos chegam todas as manhãs para receber a benção e um abraço carinhoso; Seu Augusto sempre chega sorridente para uma pontinha de conversa e um abraço; dona Josefa também levanta mais cedo para conversar um pouco antes do trabalho; Madalena se emociona cada vez que relembra os filhos que permanecem na Terra; Mariana canta uma canção do tempo de menina, toma um pouquinho de água e vai ao serviço; seu Ivalino comenta com a avó as viagens que fez pelo Brasil quando foi caminhoneiro e frequentava o Centro Espírita que a avó dirigiu na Terra. Em seguida vai ao seu trabalho. Enfim, são dezenas de amigos que comparecem para desejar um bom dia antes de seguir para o trabalho, ou outra atividade que se propõem a realizar.

Depois que os trabalhadores deixaram a casa e seguiram para o centro da cidade, as ruas esvaziaram-se; a avó Maria sentou em sua cadeira de balanço e convidou-me para uma conversa animada.

- Adoro conversar com essa gente que vai ao trabalho – disse a avó com largo sorriso – eles parecem filhotes de passarinho pedindo comida aos seus pais. Estão felizes porque constroem um novo amanhã a cada dia. São otimistas com o presente e com o futuro, pois carregam na alma as recordações dos sofrimentos que já passaram.

- Sinto que a senhora tem amor muito grande para atender essa gente – emendei a conversa. – Lembro que desde os tempos na Terra a senhora atendia a centenas de pessoas. Elas aprenderam muito com a senhora e puseram isso em suas vidas. Em compensação, outros apenas queriam utilizar a sua boa mediunidade e boa vontade de prestar assistência aos necessitados.

- Tudo bem, Maria Rosa, Deus permite que atendamos os necessitados para que possam adquirir um pouco de luz para o seu coração, e, assim, ter forças para enfrentar os embates da vida. Quem é que não tem problemas para superar? Cada um vive em seu mundo interior tentando acertar os problemas do dia a dia com o mundo exterior.

- Quem sabe, avó, um dia todos terão mais soluções do que problemas a enfrentar. Melhorando as condições do planeta, haverão de melhorar as condições dos indivíduos.

A avó Maria olhou-me com simpatia e comentou:

- Com a regeneração da Humanidade somente Espíritos bons haverão de habitar a Terra. Os maus pensamentos e atos desaparecerão e com eles os maus fluidos que enchem o planeta. Assim, as regiões de sofrimentos e trevas desaparecerão e a Terra se tornará limpa e brilhante.

- Observada de longe, a Terra apresenta uma aura escura devido aos pensamentos negativos dos seus habitantes. Com essa nova  era a contornação será azulada e luminosa – comentei relembrando as diversas oportunidades em que observei o fenômeno da aura do planeta.

Continuar...