CAPÍTULO 36: Confronto

Sexta, 21 Setembro 2012 11:12
Versão para impressão

<<< Anterior... 

CAPÍTULO 36
 
 
 
Confronto                 

 
                                           Os fugitivos e o bando de Altair se enfrentan
                    na estrada sob o clarão da lua.
                                         


               Os amigos dormiram na casa de seu Medeiros, em colchões improvisados, e acordaram bem cedo, quando ainda as estrelas iluminavam o céu entremeio ao luar. José pediu para seguir os amigos e foi aceito como voluntário. Os cinco amigos selaram os cavalos e saíram vagarosamente no rumo à residência de Alcides.
               Quando estavam a duzentos metros da casa notaram que havia alvoroço, pois a fuga havia sido descoberta e os jagunços corriam de um lado para outro sem saber o que fazer. Altair dava as ordens desde o alpendre, mas também ele não sabia o que havia acontecido realmente e não vislumbrava o que fazer no momento. Chamou Lico e mandou que os seus homens trouxessem os cavalos.
               Altair e sete jagunços montaram em seus cavalos e rumaram para o armazém. Quando se deram conta avistaram os quatro cavaleiros que os esperavam, com as armas na mão. O fazendeiro, ao ver os inimigos, açulou o cavalo e gritou para os capangas atacar em grupo. Quando estavam a cem metros de distância os irmãos fizeram mira e puxaram o gatilho dos winchesters. Ao barulho dos tiros dois cavaleiros caíram ao chão.
          O grupo vinha a galope e os irmãos atiraram novamente, matando mais dois jagunços. Então embainharam as carabinas e dispararam os cavalos ao encontro dos jagunços. Quando se aproximaram as armas dispararam dos dois lados e uma bala feriu seu Pedrinho na mão e um jagunço caiu morto. Darci fez pontaria com o revólver e acertou o peito de Altair que caiu morto. Dirceu atirou em Lico, que se estatelou no solo. O outro jagunço puxou a rédea para a direita e fugiu estrada afora, desaparecendo na noite.
            O luar clareava os cavalos sem cavaleiros e os mortos no chão. Em minutos os cadáveres eram colocados sobre os cavalos e conduzidos a algum lugar onde seriam enterrados para não chegar ao conhecimento das autoridades o que havia acontecido. A batalha se deu num lugar ermo da estrada e ninguém ficara sabendo do ocorrido. No outro dia, se alguém passasse pelo local veria algumas manchas de sangue no chão, mas não saberia o que havia acontecido.
 
Continuar...