CAPÍTULO 4: Na escola

Sexta, 21 Setembro 2012 11:45
Versão para impressão

<<< Anterior...

CAPÍTULO 4
 
 
 
                                                       Na escola                                                                      

 
                                    O grupo vai à escola Casa Remanso de
                            Luz para mais um dia de trabalho.
                               


               Deixamos a praça e nos dirigimos à escola Casa Remanso de Luz que está estabelecida no bairro limítrofe com a estrada que conduz à nossa casa.
               A escola está instalada em um quarteirão, pois além dos prédios utilizados para o ensino, existem as “casas famílias” onde crianças que estão separadas dos pais permanecem aos cuidados de uma pessoa especializada para tal. Tão grande é a afinidade das crianças com essas pessoas que as chamam de “pai” ou “mãe”.
               O número de alunos atendidos supera mais de mil, pois estão em constante mudança, devido às reencarnações programadas ou a chegada de novos educandos.
               Muitos alunos moram na instituição, pois os pais, ou estão ainda encarnados, ou permanecem em regiões inferiores, de onde não podem manter contato permanente.
              O horário estabelecido para o início das aulas no período matutino é oito horas e os pais já estavam chegando para trazer os filhos. Encontramos diversos amigos que chegavam para nos cumprimentar e entregar os filhos para o devido encaminhamento às salas.
               Dentre os amigos nos deparamos com Antonio Augusto, um homem que trabalha na cidade no Departamento de Reencarnação, e que trouxe a neta de seis anos.
               ― Bom dia meus amigos – disse-nos com alegria. – Que bom revê-los nesse dia.
               ― Bom dia Antonio Augusto – respondemos com satisfação. – Como está o seu pedido para o reencarne de sua neta? – Perguntei para saber do andamento do caso.
               ― Está sendo solucionado por meus superiores. Vocês sabem que Anabela desencarnou há dez anos e meu filho e a nora não se conformam com a sua ausência. Eles estão trabalhando muito na seara Espírita, no atendimento aos pobres de seu bairro, e tiveram a permissão de receber novamente a mesma filha em seus braços.
               ― É maravilhoso receber essa benção e reencontrar a filha desencarnada num acidente em seu próprio lar através da Lei da Reencarnação – eu disse ao amigo com alegria de saber que o vazio de sua ausência será preenchido por ela mesma num retorno à carne. – Deus haverá de amenizar a saudade dos pais e da filha num reencontro maravilhoso.
               ― Podem se preparar para perder essa aluna – comentou Antonio Augusto, com um sorriso, - mas será por uma boa causa.
               ― Com certeza – comentei. – Quando a autorização estiver pronta pode nos informar que Anabela será liberada imediatamente.
               Seu Antonio Augusto riu a valer com a concordância de nossa parte de que a neta deveria retornar ao convívio carnal junto aos antigos pais. Ele despediu-se e seguiu seu caminho pela alameda no rumo do centro da cidade.
             Nesse momento chegou a senhora Maria, uma das principais dirigentes de nossa cidade e de nosso Centro Espírita, que nos pediu para nos prepararmos para um difícil trabalho espiritual no Centro, pois chegaria um casal com sérios problemas de obsessão. Mas isso seria à noite no Centro e, no momento, precisávamos cuidar da direção da escola que já regurgitava de alunos sob os olhares complacentes dos professores.
 

Continuar...