Centro Espírita Dr. Adolfo Bezerra de Menezes

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte

23 – As portas se abrem

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

<<< Anterior...

As forças que haviam sido aprisionadas perto das muralhas tiveram a permissão de se aproximar do comandante. Esse homem havia conquistado a sua admiração e era justo seguir os seus passos. Reuniram-se aos companheiros para esperar instruções.

As portas da cidade foram abertas e os administradores vieram nos abraçar. Respeitosamente cumprimentaram o comandante que de agora em diante não era mais um inimigo.

Reunimos nossos generais e os administradores da cidade e planejamos os passos a seguir.

Nossos generais chamaram todos osque podiam servir no momento. Mais de duzentos soldados se apresentaram para o serviço.

Chamamos os médicos e enfermeiros do exército para entrar na cidade e montar postos de atendimento aos feridos, nas proximidades dos portões.

Imediatamente se apresentaram cinco médicos e trinta enfermeiros para a jornada. Na cidade havia três médicos e quinze enfermeiros. Atuariam juntos no trabalho.

Um grupo numeroso de soldados apresentou-se portando macas e começaram a carregar os feridos. Os próprios guerreiros do acampamento começaram a ajudar nesse serviço. Em vinte minutos todos os feridos estavam sendo conduzidos à cidade.

Olhamos para a estrada principal e visualizamos um facho de luz que se aproximava rapidamente. Quando chegou perto de nós, a nuvem se desfez e materializaram-se quarenta e cinco Espíritos mensageiros sob o comando de Felipe.

Eram Espíritos especializados nas tarefas de triagem para alocação de Espíritos em postos de atendimento e trabalho nas diversas regiões espirituais. Esse era um trabalho meticuloso que requeria pessoas capacitadas para o cargo. Na entrada, depois dos portões, seriam armadas barracas para o atendimento individual a cada Espírito do acampamento. Isso poderia levar dias.

Os soldados do acampamento foram convidados a chegar nesse local e aguardar que fossem chamados. Receberiam sopa reconfortante e frutas para restabelecer as forças. Ficariam em barracas montadas para seu descanso.

O administrador da cidade, seu José, nos disse que os mecânicos haviam consertado os defeitos na casa de força e a energia já havia sido restabelecida. Disse-nos também que os soldados que estavam presos na cidade seriam conduzidos até o novo acampamento para serem ouvidos.

Continuar... 

 

Luiz Marini - Livros

kiko_e_malhado.jpg
Clique na imagem para acessar


Para refletir

"O lar é, antes de tudo, a escola do caráter e, somente quando os responsáveis por ele se entregarem, felizes, ao sacrifício próprio, para a vitória do amor, é que a vida na Terra será realmente de paz e trabalho, crescimento e progresso, porque o homem encontrará na criança as bases justas do programa da redenção." (Emmanuel)