Centro Espírita Dr. Adolfo Bezerra de Menezes

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte

Primavera - Sonetos

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Soneto 01 - O inverno se vai

Os gélidos ventos invernais
Fustigam sem dó as pradarias,
Cidades, matos, cercanias,
Nos pontos meridionais.
 

As geadas tradicionais
Deixam as manhãs muito frias,
E, esses enregelados dias,
São dos invernos convencionais.

A quietude em tudo impera,
No mato, no campo, na serra,
Pois, o frio traz o sofrimento.

Logo a esperança se descerra
Ao deflagrar a primavera
Modificando o firmamento.


Soneto 02 - Chegada da primavera

A longa noite enregelada
Obriga o ser vivo a recolher,
E a seiva, a vida, a permanecer
Quieta, em repouso, calada.

Tão logo rompe a madrugada
Nascendo o sol para aquecer,
Revive tudo o que está a sofrer
Com a estação tão esperada!

O canário vem na ramada.
Canta para chamar a amada
Que comparece sem espera.

O calor chama a passarada
Que chilreia em plena alvorada
Prenunciando a primavera.


Soneto 03 - Nos campos

Quando o orvalho da folha cai,
A seiva no ramo desperta.
O quero-quero soa o alerta,
O tatu deixa a toca e sai.

O bando de rolinha vai
Aos campos catar o que resta
Da colheita do trigo em festa,
E a manhã de luz se sobressai.

Os bichos prontamente acordam,
Os riachos puros transbordam,
Abrem-se as luzes de outra era.

Pássaros as vargens abordam
Bicando os grãos que se moldam
No alvorecer da primavera.


Soneto 04 - Na cidade

Na praça central da cidade
Os ipês se abrem em flor,
O João-de-barro, construtor,
Molda em lama sua herdade.

No ar, vagueia a felicidade!
O jasmineiro em pleno olor,
Nos camarões, um beija-flor
Suga o néctar à saciedade.

No burburinho das pessoas
Os canários cantam loas
De alegria ou de quimera.

Bichos éramos nas lagoas
Ao tombar leve de garoas
Cumprimentam a primavera.


Soneto 05 - Mariquinha – Vestida para casar

Bem cedo, Dona Mariquinha,
Sai de casa para casar.
A alva primaveril aspirar
Levando consigo a sombrinha.

Lindo vestido de florzinha
E o chapéu para adornar
A vestimenta para o altar
Lá na pequena igrejinha.

José, seu noivo, já a espera!
Linda manhã de primavera,
A estação para se casar.

No ar paira forte atmosfera
De amor que viceja e prospera
Na moça, na estrada, a caminhar.


Soneto 06 - O inverno e a primavera

O inverno concebe solidão
Com dias frios e nevoentos.
Tristezas, angústias, tormentos,
Povoam o simples coração.

Primavera é a bela estação
Cheia de quadros e momentos
Da natureza em movimentos
Com flores, ramos em brotação.

Quando aparece a primavera
E adorna de luzes a terra
Transformando toda a criação,

Um mundo de flores descerra
O amor em toda parte impera
Mostrando que Deus é perfeição.

Luiz Marini 05-09-2019

 

Luiz Marini - Livros

kiko_e_malhado.jpg
Clique na imagem para acessar


Para refletir

"Além da terra, além do infinito, eu procurava em vão o céu e o inferno. Mas uma voz interior me disse: O céu e o inferno estão em ti mesmo." (Omar Kháyyám)