Centro Espírita Dr. Adolfo Bezerra de Menezes

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte

Capítulo 14 – A caravana no umbral

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

<<< Anterior...

Delineamos o planejamento para alcançar o objetivo de encontrar Andréia, Marilda, Marcos e o local onde se encontravam os Espíritos Samaritanos e dos familiares que tentavam libertar os parentes das garras dos Espíritos belicosos.

Os três grupos seguiam rapidamente como se estivessem volitando. As distâncias eram percorridas rapidamente e a estrada se apresentava de forma diferente, sendo levemente clareada por uma luz azulada.

A intervenção divina era demonstrada na claridade incomum às regiões do umbral, onde os obstáculos desapareciam como por encanto e nossos guerreiros seguiam firmes no propósito de alcançar os grandes campos.

Não demorou muito e alcançamos várzeas imensas onde grupos de Espíritos perambulavam a esmo, esquecidos de si mesmos, alheios ao que ocorria ao redor. Bruno e Luisinho ficaram ao meu lado em observação.

Grupos de Espíritos vagavam, com olhares vazios, movimentando-se a esmo, como se estivessem com os membros engessados e os olhos vendados. Não conseguiam atinar sobre o tempo e o espaço que ocupavam.

Detivemos nossos passos. Maria Rosa aproximou-se do grupo e dirigiu-se a um jovem que apresentava condição espiritual sofrível.

- Daniel, venha até nós! – solicitou a guerreira do Contestado.

- Quem me chama? – perguntou o jovem.

- Sou Maria Rosa e o conheço do tempo da Guerra do Contestado. Jesus permitiu que você tivesse a oportunidade de recomeçar a sua caminhada no rumo da luz.

- Eu já nem sei quem sou e o que estou fazendo aqui. Há muitos anos estou vagando com esse grupo, nesses campos e muitas vezes pensei que jamais alguém pudesse lembrar-se de mim.

- Tudo tem seu tempo, Daniel, e o seu é chegado. Em sua última encarnação você não aproveitou a oportunidade e caiu em abismos na movimentação com o tráfico de drogas. Você esqueceu completamente o espírito que tínhamos no Contestado. Depois de longo tempo em sofrimento é chegada a hora da libertação.

- Isso quer dizer que meus pecados estão perdoados? – perguntou o jovem com uma expressão de espanto.

- O perdão é facultado por Deus. Jesus também perdoou a pecadora e mandou que seguisse seu caminho e não pecasse mais. O seu tempo nessas paragens está cumprido. Agora é o momento de readquirir forças e recomeçar a vida itinerante no bem.

- Então vou ter a oportunidade de sair deste lugar e melhorar?

- Deus permitiu que o encontrássemos nessa hora, pois seu tempo por aqui terminou. Essa é a primeira oportunidade que você recebe de Deus e é imperioso que aproveites. O primeiro passo está dado e o segundo agora se apresenta à frente. Convém que aproveites a oportunidade e sigas em frente.

Nossos guerreiros observavam Maria Rosa. A guerreira brilhava em luz. Tirson, Menotti e Luiz Dam avançaram e buscaram entre os Espíritos dois moços e uma jovem que também apresentavam os mesmos sintomas de Daniel.

Em minutos estavam acomodados em uma carruagem que os conduziriam até as regiões limítrofes do umbral onde receberiam os primeiros tratamentos.

Continuar...

 

Luiz Marini - Livros

kiko_e_malhado.jpg
Clique na imagem para acessar


Para refletir

"A paisagem social da Terra se transformaria imediatamente para melhor se todos nós, quando da condição de espíritos encarnados, nos tratássemos, dentro de casa, pelo menos com a cortesia que dispensamos aos nossos amigos." (André Luiz)