Centro Espírita Dr. Adolfo Bezerra de Menezes

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte

Capítulo 13 – Os cavaleiros da Luz

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

<<< Anterior...

A manhã encontrava-se plena de luz e apenas em algumas baixadas, perto de córregos, a cerração ainda não havia se dissipado. Estávamos na região onde fica nossa cidadela que abriga os cavaleiros da luz. Esses cavaleiros são nossos combatentes oriundos da Guerra do Contestado. São treinados para operar no umbral nas regiões de pouca luz onde pululam os Espíritos malfazejos. O Reduto fica na crosta e está situado na região Sudoeste do Paraná, na parte nordeste da cidade de Pato Branco.

Quando nos aproximamos do portão principal observamos que a cidadela já regurgitava de cavaleiros nos campos e no imenso pátio. O jovem Bruno e Luisinho estavam em nossa companhia.

Quando entramos no pátio, alguns cavaleiros vieram ao nosso encontro. Chica Pelega estava à frente da comitiva e apeou de seu alazão para nos abraçar.

Maria Rosa adiantou-se e abraçou a guerreira do Contestado. Eram duas das principais guerreiras da luta ocorrida entre os sertanejos e as forças do governo no longínquo início da guerra em 1912.

Depois de nos abraçar, Chica Pelega chamou os companheiros para que se aproximassem. Cumprimentaram-nos com alegria e um sorriso no rosto, demonstrando que eram nossos amigos verdadeiros.

Seguimos pelo pátio até chegarmos ao edifício principal onde subimos os poucos degraus da escada e paramos no alpendre. Maria Rosa deu ordens ao corneteiro, que prontamente chamou os cavaleiros em um toque especial de seu instrumento.

Em poucos minutos, à nossa frente, encontravam-se mais de trezentos guerreiros. Maria Rosa dirigiu-se aos companheiros:

- Amigos do ideal do Cristo! Nosso Reduto regurgita em luz, na paz do Senhor. Os cavaleiros da luz estão sempre preparados para ajudar no trabalho de recuperação dos irmãos que sofrem. Nossa cidade abriga um grande número de companheiros de jornada do Contestado e também de outras paragens. A hora de ajudar está sempre à nossa frente. Se o trabalhador está pronto, a oportunidade do serviço aparece. Estamos sempre prontos e o serviço nos chama. Eis que hoje temos a incumbência de peregrinar pelo umbral para ajudar no resgate de Espíritos que estão em uma região inferior muito afastada e de difícil acesso. Já delineamos a ação e teremos três grupos, compostos por cinquenta companheiros, de busca que serão comandados nesta ordem:

Grupo um: Capitaneado por José e Manoel seguirá à esquerda, margeando as florestas e lagos.

Grupo dois: Capitaneado por Tirson e Menotti, seguirá pelo lado direito margeando as montanhas.

Grupo três: Luiz Dam e eu estaremos no comando deste grupo e seguiremos pelo centro passando por diversos povoados.

Um grupo de cento e cinquenta cavaleiros seguirá pela estrada principal até os grandes campos.

Os outros grupos seguirão por muitos quilômetros até chegar à região dos grandes campos onde deverão reunir-se. Depois dos campos a região é de difícil acesso e andaremos por carreiros por onde passa apenas um companheiro. O grupo de cento e cinquenta cavaleiros seguirá até a região dos grandes campos onde esperará por nós. Levarão as carruagens e montarias necessárias para transportar os Espíritos recolhidos nas regiões umbralinas. Apenas algumas carruagens seguirão conosco para os primeiros atendimentos. O tempo deve ser aproveitado com o esforço de nossos companheiros nesta jornada que agora se inicia. Elevemos a Jesus, Mãe Santíssima e a Deus nossos pensamentos para receber forças durante esta caminhada difícil e que esperamos, seja proveitosa. Busquemos neles as forças que necessitamos nessa hora para obtermos êxito nessa missão.

Maria Rosa calou-se! Os cavaleiros começaram a se movimentar, buscando seus comandantes. Em poucos minutos estávamos agrupados esperando as ordens. Três pelotões enfileirados apresentavam-se no pátio, enquanto os demais cavaleiros permaneciam mais ao fundo.

Em ordem, os pelotões de cavaleiros começaram a se movimentar, no rumo do umbral. Quando passavam à nossa frente, os comandados nos cumprimentavam e seguiam em frente. Em poucos minutos, juntei-me com Maria Rosa e Luiz Dam para iniciar a jornada.

Continuar...

 

Luiz Marini - Livros

kiko_e_malhado.jpg
Clique na imagem para acessar


Para refletir

"No caráter, na conduta, no estilo, em todas as coisas, a simplicidade é a suprema virtude." (Henry Wadsworth Longfellow)