Centro Espírita Dr. Adolfo Bezerra de Menezes

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte

Capítulo 10 – Espíritos belicosos

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

<<< Anterior... 

De repente, ouvimos passos apressados que se aproximavam. No fundo do campo surgiu um grupo de Espíritos belicosos, armado com espadas e lanças. Em passos rápidos e, em uníssono, alcançaram os Espíritos que estavam à nossa frente.

O comandante dos celerados, homem grandalhão, de barba e cabelos compridos, portando uma espada na mão, gritou aos comandados.

- Procurem por Marilda. Ela está disfarçada e escondida em algum desses grupos, incógnita entre esses sofredores. Aproveitem a vistoria e encontrem aqueles que estejam em sintonia conosco e tragam aqui.

Os Espíritos combatentes procuravam em cada semblante, tentando encontrar Marilda. Muitos Espíritos foram presos e levados pelos que estavam à retaguarda. Muitos gritavam, mas de nada adiantava, porque, sob a força bruta, eram conduzidos até o grupo que estava no centro do gramado.

- Aqui, Joel, aqui. – gritou um dos subordinados, chamando o comandante.
- Encontrou a fugitiva? Perguntou o chefe.

- É parecida com ela – respondeu, enquanto conduzia a moça pelo braço.

Joel observou atentamente o semblante da moça e, demonstrando desânimo, disse:

- É parecida, mas não é Marilda. Levem-na à retaguarda, pois pode servir aos nossos propósitos.

Os comandados obedeceram à ordem e levaram a moça até o grupo de vigilantes no fundo do campo. Aquietou-se o campo e as vozes dos Espíritos não se ouviram por alguns minutos. De repente, o silêncio foi quebrado pelo correr de uma moça.

Ela surgiu dentre os andarilhos e correu para a floresta que se desenhava ao lado do campo. Quando chegou ao limiar do campo, parou. Virou-se e gritou ao comandante:

- Joel, você nunca colocará as mãos em mim.

Dizendo isso, embrenhou-se na mata desaparecendo de nossas vistas. Os comandados saíram em seu encalço como se loucos fossem tentando a toda sorte alcançá-la.

Alguns minutos depois retornavam de mãos vazias. O comandante esbravejou e gritou impropérios por não lograr êxito em capturar a fugitiva. Era ela. Era aquela que procuravam sem cessar: Marilda, a fugitiva.

Continuar...

 

Luiz Marini - Livros

kiko_e_malhado.jpg
Clique na imagem para acessar


Para refletir

"A paisagem social da Terra se transformaria imediatamente para melhor se todos nós, quando da condição de espíritos encarnados, nos tratássemos, dentro de casa, pelo menos com a cortesia que dispensamos aos nossos amigos." (André Luiz)