Centro Espírita Dr. Adolfo Bezerra de Menezes

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte

Capítulo 03 – A conversa continua

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

<<< Anterior...

 Brisa suave nos envolvia na noite delicada. O perfume das flores do jardim enchia nossos pulmões enquanto conversávamos.

Estávamos sentados em cadeiras no alpendre, observando as luzes da noite enquanto debatíamos diversos assuntos ligados à eternidade e a Jesus, nosso Mestre Divino.

- Jesus é o Mestre de todos os Espíritos – disse Maria Rosa. – Sem Ele somos náufragos em um oceano proceloso.

- Náufragos que se encaminham a um abismo sem fim, pois quem não tem um norte, com certeza, ruma ao sofrimento e à ilusão – complementei.

- Quem não conhece Jesus tende a não avaliar corretamente as leis do universo – estabeleceu Maria Rosa, – Sem Jesus, somos meros espectadores da vida, sem o pleno conhecimento da integralidade das leis e condições que nos regem.

Maria Rosa dizia isso com a certeza de quem sabe muito de todas as nuances que regem o mundo. Ela estava maravilhosa em seu vestido azul, longo, enfeitado com franjas coloridas. Nesse momento, senti que a grande guerreira recordava passagens de quando encarnada, dada a expressão que mantinha no rosto iluminado.

Seus cabelos longos, ondeados, caíam sobre os ombros dando-lhe um ar juvenil e meigo em seu semblante sereno. Parecia que sua mente estava muito distante. De repente, olhou-me firmemente e disse:

- Avó Maria! Nós somos felizes em viver em uma cidade espiritual de nível elevado, onde apenas Espíritos bons labutam. Os menos esclarecidos que aqui aportam são os necessitados de tratamento e que demonstram estarem acima dos desejos de complicações. Aqui temos a oportunidade de servir e crescer enquanto milhares de Espíritos vagam pelo umbral e não encontram meios de modificação.

- Temos andado pelas regiões nebulosas e encontrado milhares de Espíritos que vagam sem destino naqueles lugares. Temos que, todos os dias, agradecer a Jesus por permitir que tenhamos possibilidades de trabalhar pelo bem.

- A melhor maneira de agradecer é trabalhando – confidenciou-me Maria Rosa com um sorriso. – O trabalhador deve estar sempre preparado, pois a qualquer momento é chamado à luta.

- Ainda bem que estou junto com vocês – disse-nos Luisinho. – Se eu não estivesse aqui, ao lado de vocês, com certeza estaria em maus lençóis nas regiões de sofrimento.

- Se você estivesse perdido no mundo, nós o encontraríamos, pois os Espíritos familiares se procuram e se encontram em qualquer parte – afirmou Maria Rosa. – Os Espíritos afins, inconscientemente, se buscam, não importa onde estejam.

- Eu tive a oportunidade de estar na família da avó Maria há muitos séculos e com ela poder palmilhar as estradas do mundo.

- Felizes somos nós, Luisinho, por termos a oportunidade de estar ao seu lado – Comentou a guerreira. – Não é todo dia que encontramos alguém do seu nível e isso nos orgulha muito.

- Penso que quem deve agradecer a oportunidade de andar com vocês sou eu e, bem sei, não mereço isso.

- Muita gente encarnada se pergunta como é viver no mundo dos Espíritos – comentei. – Muitos têm a curiosidade de saber, mas têm um medo inexplicável de ter que chegar ao nosso mundo.

- Quem está na Terra, encarnado, fica agarrado à matéria e não quer passar para o nosso lado, o nosso mundo – comentou Luisinho.

- Ter curiosidade é uma coisa, passar ao mundo espiritual é outra e muito diferente – complementei o pensamento do menino, observando-o atentamente.

Luisinho é um menino de sete anos, loiro, pele branca, magro, olhos azuis, cabelos loiros caindo até os ombros. É nosso companheiro de trabalho em nossa escola e está sempre disposto a ajudar os necessitados. É meu neto de vidas passadas e Jesus nos reaproximou na espiritualidade para juntos evoluirmos. Olhou-me firmemente e disse:

- O grande problema de se estar encarnado é que um tênue fio liga o perispírito ao corpo somático e, quando menos se espera, ocorre o desenlace. Um acidente, uma doença, um problema súbito de coração, um assalto, um assassinato, um escorregão...

- Muita gente que anda pelo mundo não está preparada para o desencarne – explanei. – Vivem como se não houvesse amanhã, fazem tudo o que pensam e querem sem se importar com moralidade, espiritualidade, vida eterna...

- Não se “ligam” que a vida é a somatória de diversas encarnações e a romagem terrestre é a escola que ensina ao Espírito a grande virtude da vida: a evolução espiritual.

Luisinho falava com a erudição que é própria de seu Espírito amoroso.

- Ah! Avó Maria! Quem dera soubessem o que nós já sabemos sobre o mundo espiritual – comentou Maria Rosa. - Na Terra, quem morre é o corpo físico. O Espírito alça voo, liberta-se dos liames que o prendem ao corpo e parte ao encontro do seu destino na espiritualidade.

- Aí é que reside o grande medo dos encarnados – asseverei com propriedade. – Os homens têm medo do desconhecido. A grande maioria vive da maneira que acha melhor, semeando ódio, difamações, separações e têm medo de encontrar-se com a própria consciência. Vivem no mundo como se não houvesse Deus e depois do desencarne veem que erraram muito por seguirem o materialismo e o ateísmo.

- O grande problema – avó Maria –, é que não escutam os que já entraram em contato com a espiritualidade e que procuraram ensinar o caminho da luz, pela semeadura do amor – disse-nos Maria Rosa –. Procuram o comodismo de não ter que pensar em si e no próximo. Depois se arrependem, mas, então, é tarde demais.

 Continuar...

 

Luiz Marini - Livros

kiko_e_malhado.jpg
Clique na imagem para acessar


Para refletir

"A paisagem social da Terra se transformaria imediatamente para melhor se todos nós, quando da condição de espíritos encarnados, nos tratássemos, dentro de casa, pelo menos com a cortesia que dispensamos aos nossos amigos." (André Luiz)