Centro Espírita Dr. Adolfo Bezerra de Menezes

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte

CAPÍTULO 54: A caminho do forte

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

<<< Anterior... 

CAPÍTULO 54
 
 
 
A caminho do forte

 
                                                          Os Cavaleiros da Luz seguem pela estrada nevoenta
                                             e fria que corta o umbral nos rumos do forte
               onde estão os prisioneiros.


 
               Foi ficando para trás a estrada luminosa que conduzia ao Reduto espiritual. O caminho começou a se tornar tortuoso e estreito quando começamos a penetrar a região do umbral. As claridades da manhã passavam apenas raramente em alguns locais onde a neblina era menos espessa e os raios do sol conseguiam penetrar fracamente.
               A estrada se tornou reta e longa, passando ao lado de penedos altos e riachos de água barrenta. Os cavalos, acostumados à marcha na região, não recuavam ante os perigos que a estrada apresentava, antes batiam firme os cascos na terra vermelha, deixando para trás os penedos imponentes.
               A região começou a ficar mais escura e a cavalgada mais difícil, pois a estrada se tornou muito estreita e o nevoeiro intenso. A estrada começou a ficar inclinada indicando que estávamos subindo um dos morros mais conhecidos da região, por ser lugar onde habitam muitos Espíritos inferiores, ligados às quadrilhas de traficantes de drogas e armas que atuavam na Terra.
               No umbral continuam a praticar as maldades que cometiam na Terra e a passagem pelo local requer muita coragem e audácia dos cavaleiros. Mas nós não temos medo de visagem, caipora, mula sem cabeça e outros bichos que o folclore do mundo sempre valorizou para amedrontar os incautos.
               Os Cavaleiros da Luz são muito protegidos pelas forças espirituais por atuarem na área perigosa do umbral. A claridade própria que emana de cada Espírito guerreiro os protege de qualquer ato de violência que intentem contra eles.
               A caravana seguia em frente ouvindo os lamentos dos Espíritos sofredores que uivavam de dor e desespero enfurnados em tocas improvisadas ou escondidos detrás de troncos de árvores caídas.
               Um grupo de bandidos apareceu na estrada à nossa frente e o chefe fez sinal para que parássemos. Ele nos olhou com desdém e nos pediu:
               ― Para onde estão indo os cavaleiros?
               ― Para uma região em outros campos acima – respondi com firmeza. – Estamos apenas de passagem e viemos em paz. Os senhores não se preocupem que não faremos nada que vá de encontro aos seus interesses.
               ― Para passar por esta estrada, mocinha, tem que pagar pedágio – afirmou o malfeitor que era um homem que aparentava quarenta anos.
              ― Em qualquer estrada do mundo onde passamos não pagamos pedágio – disse-lhe com determinação. – Não será aqui que pagaremos qualquer tributo.
               ― Então não passarão deste ponto – asseverou o chefe do bando. – Quem manda neste pedaço sou eu e quero ver quem passa sem a minha ordem.
               ― Se é assim, pedimos a sua permissão para passar pela estrada – solicitei com educação. – Estamos aqui só de passagem e não queremos bronca com ninguém.
               ― Quero que deixem dez cavalos, vinte espadas e dez fuzis – concluiu o chefe do bando, com um sorriso de mofo que me causou indignação.
               ― Nunca deixamos nossos cavalos, armas e apetrechos em qualquer lugar e não será hoje que deixaremos – disse-lhe com voz de quem não está mais para conversa. – Abram caminho para que nossa comitiva passe.
               O chefe fez sinal aos bandoleiros que estavam logo atrás e eles fizeram menção de nos atacar com espingardas, espadas e lanças. Não deu tempo de pensar em o que fazer, pois quando viram a coluna de nossos cavaleiros disparou em frente em galope alucinante, fazendo vibrar a terra sob os cascos dos cavalos.
               A arremetida foi forte e certeira e quando os malfeitores se deram conta estavam se jogando para a beira da estrada, caindo no meio do capim, rolando pelas ribanceiras, estatelando-se, lá embaixo, na ravina.
               A galope passamos pelo local demarcado pelos malfeitores como de pedágio e seguimos em frente no rumo norte em busca da estrada que nos levaria até o forte. Trinta minutos depois chegamos à encruzilhada onde seguimos pela esquerda até começarmos a encontrar os charcos onde os Espíritos sofredores pagavam suas penas.
                                            
 

Luiz Marini - Livros

kiko_e_malhado.jpg
Clique na imagem para acessar


Para refletir

"A paisagem social da Terra se transformaria imediatamente para melhor se todos nós, quando da condição de espíritos encarnados, nos tratássemos, dentro de casa, pelo menos com a cortesia que dispensamos aos nossos amigos." (André Luiz)