Centro Espírita Dr. Adolfo Bezerra de Menezes

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte

CAPÍTULO 46: Pedido de Socorro

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

<<< Anterior... 

CAPÍTULO 46
 
 
 
Pedido de Socorro

 
                                   As filhas de Antonio são perseguidas e
                                      pedem socorro a Luisinho e à avó Maria.


 
               Luisinho e a avó Maria se aproximaram pedindo para que eu fosse com eles até a cidade onde mora o casal que está em tratamento no Centro.
               A volitação é um atributo maravilhoso que os Espíritos bons possuem e que podem exercer quando quiserem. É um predicado que está à disposição e que facilita sobremaneira a locomoção.
               Em segundos chegamos à residência do casal e observamos um grande alarido no lado espiritual, onde diversos Espíritos menos esclarecidos cercavam as duas meninas. Elas portavam pedaços de madeira e tentavam se defender dos atacantes. Eles se defendiam e atacavam, rindo, sabendo que poderiam subjugá-las quando bem entendessem.
               Os gritos de socorro saíam de suas mentes e chegavam até nós como um raio de luz. O pedido fora registrado pela avó Maria e Luisinho que me avisaram a tempo de chegarmos para enfrentar os malfeitores. Estavam armados com revólveres, carabinas, punhais e chicotes.
               Quando aparecemos os contendores levaram um susto, pois jamais imaginariam que haveríamos de chegar para ajudar as meninas. Uma viva de alegria das meninas e um “uuuuuh!” de descontentamento, por parte dos malfeitores, foram ouvidos no local.
               Separamos os combatentes e pedimos para os Espíritos perseguidores que se afastassem e deixassem as meninas em paz. Risos de deboche foram o que ouvimos em resposta ao pedido. Mas entre o riso e a ação foram poucos segundos e o grupo nos atacou com violência desmedida.
               Como atacou também recuou, pois os componentes chegaram com as armas apontadas para nós, prontas para disparar. Não deu tempo de pensar em atirar e já estavam no chão estertorando depois de uma rasteira de um laço bem manejado. Vieram novamente com fúria e foram repelidos com a força de nossos pensamentos.
               As trevas não conseguem combater a luz e caem diante do poder de Jesus e dos bons Espíritos. Quando viram que não eram páreo para nós, saíram em debandada nos rumos de uma mata próxima, onde se esconderam.
               As meninas estavam felizes com nossa presença e nos abraçaram demoradamente. A avó Maria então lhes disse:
               ― Está na hora de descansar, arranjar um repouso seguro para recuperar as forças e recomeçar a caminhada rumo a Deus. Sua mãe já está bem recuperada dos ataques das forças inferiores e, dentro de alguns dias, vocês poderão visitá-la.
               ― Nós não vamos mais ser perseguidas por esses homens maus? – perguntou Marcela.
               ― Não! – respondeu a avó Maria - Deste momento em diante vocês estão sob nossa proteção. Seguirão conosco para nossa cidade onde receberão o tratamento adequado e, dentro de alguns dias, estarão totalmente recuperadas.
               ― Para onde vamos tem hospital para o tratamento que a senhora nos indicou? – tornou a perguntar Marcela.
            ― Nossa cidade tem hospitais, escolas, oficinas, residências, laboratórios e tudo o mais que é necessário para o estudo e aprimoramento dos Espíritos.
               ― Depois poderemos rever nossa mãe? – ainda era Marcela a perguntar.
               ― Temos que fazer o tratamento primeiro e depois então veremos a melhor maneira de aproximar vocês da mãe. Vamos por partes que fica mais fácil de resolver os problemas.
               ― O que aconteceu com nosso pai? – a pergunta veio de Marta, que tinha os olhos tristes ao lembrar o genitor.
               ― Ele está num lugar de difícil acesso, mas estamos nos aprontando para resgatá-lo. Logo estará com vocês para uma nova empreitada na vida.
               Nesse instante chegou à casa a mãe das meninas, vindo do serviço. Parou em frente à residência e esperou a filha que retornava do colégio. Depois de um abraço entraram em casa e fecharam a porta.
               Olhei para a avó Maria e Luisinho e, com um aceno de positivo, com a cabeça, conduzimos as meninas até a residência.
               Entramos e ficamos ao lado de Mirtes enquanto as filhas se abraçavam à mãe, deixando que a saudade tocasse fundo em seus corações. A irmã levantou-se do sofá e se achegou à mãe, abraçando-a ternamente.
               ― Estou com a sensação de que alguém muito querido está ao nosso lado – disse a mãe à filha – É algo que não consigo compreender como acontece, mas tenho a impressão de que não estamos sozinhas.
               ― Também sinto isso, mãe, mas não consigo entender o que é. Se for alguém que nos quer bem, agradeçamos a Deus por estarmos juntos nesse momento.
               Deixamos que as meninas ficassem mais de meia hora com a mãe e a irmã e depois solicitamos que se despedissem, pois tínhamos que voltar à nossa cidade e começar o tratamento com o Dr. Jorge Luís.
                                            
 

Luiz Marini - Livros

kiko_e_malhado.jpg
Clique na imagem para acessar


Para refletir

"A paisagem social da Terra se transformaria imediatamente para melhor se todos nós, quando da condição de espíritos encarnados, nos tratássemos, dentro de casa, pelo menos com a cortesia que dispensamos aos nossos amigos." (André Luiz)