Centro Espírita Dr. Adolfo Bezerra de Menezes

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte

CAPÍTULO 25: Perseguição

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

<<< Anterior... 

CAPÍTULO 25
 
 
 
                  Perseguição                           

 
                                             Os irmãos contam a Antonio que Altair está
                                      para iniciar a perseguição aos inimigos.
                                         


               Antonio estava trabalhando no atendimento de fregueses no armazém, quando viu os irmãos entrarem pela porta do depósito. Darci fez sinal para Antonio comunicando que precisavam conversar.
               Quando acalmou o serviço de atendimento Antonio pediu licença ao patrão e foi ao encontro dos irmãos. A conversa foi rápida, eles contaram o sucedido na fazenda de Otávio e pediram a Antonio que arrumasse algum lugar para que pudessem se esconder até arranjar carona para fugir da cidade.
               Antonio conduziu os irmãos até um depósito de madeiras que ficava a duzentos metros do armazém. Eles poderiam ficar escondidos numa casinha nos fundos do terreno, que era utilizada para guardar algumas ferramentas de trabalho e abrigar os empregados quando ali precisavam pernoitar. Os irmãos se arrancharam como puderam e prepararam rotas de fuga caso fossem descobertos.
               Antonio retornou ao serviço e encontrou Otávio que o esperava para uma conversa reservada. O moço chorou e se abraçou a Antonio dizendo que sabia que ele era o seu pai. Disse que Dirceu havia contado a sua história.
               A semelhança não era mera coincidência, mas, sim, o fruto do parentesco. Otávio pediu ao pai o que havia acontecido e ele narrou os fatos de acordo com o ocorrera na época, confirmando a história contada por Darci e Dirceu.
               Otávio estava indignado com o que Altair havia mandado fazer com sua família e, mais ainda, por ser inescrupuloso em assumir o filho caçula e criá-lo como seu próprio filho. Tal pai, tal filho, pois Otávio também não guardava desejos de vingança contra Lino e Altair. Esse sentimento não cabia em seu coração. Agora compreendia o porquê de Altair fazer de tudo para que ele se tornasse um déspota e assassino. O desejo de Altair era mudar um coração bondoso, tornando-o tirano.
               Pai e filho ficaram longo tempo abraçados e quando se deram conta Conceição estava ao lado observando-os, surpresa, pois jamais imaginaria que eram pai e filho. Otávio chamou-a para perto e a abraçou ternamente, dizendo que finalmente havia encontrado seu pai verdadeiro e que, mesmo instado por Altair, ele jamais havia cometido os desatinos que o fazendeiro cometera contra os semelhantes.
               A situação estava ficando complicada e Antonio resolveu pedir a Otávio que retornasse à fazenda e nada dissesse sobre o encontro que tiveram. O melhor seria encobrir a verdade por algum tempo até que as coisas se estabilizassem e pudessem pensar melhor em o que fazer.
               Antonio sabia que Altair estava a seu encalço e em breve tempo estaria frente a frente com o assassino de sua família, mas isso não o preocupava, pois sua vida já havia acabado no dia em que mataram sua família. O amanhã, para ele, não tinha muita importância, a não ser continuar trabalhando e encontrar, vez por outra, Otávio, que voltava a ser seu legítimo filho.
                  
 

Luiz Marini - Livros

kiko_e_malhado.jpg
Clique na imagem para acessar


Para refletir

"Há grandes homens que fazem com que todos se sintam pequenos. Mas o verdadeiro grande homem é aquele que faz com que todos se sintam grandes." (Gilbert Keith Chesterton)