Centro Espírita Dr. Adolfo Bezerra de Menezes

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte

CAPÍTULO 12: O cliente

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

<<< Anterior... 

CAPÍTULO 12
 
 
 
           O cliente                              

 
                                  Cinco jagunços entraram no armazém
                         e Antonio se depara com alguém
muito especial.      



               Antonio levantava cedo, cevava o mate com erva nativa, canchada no barbaquá de seu Olivo, tomava diversas cuias e depois preparava o café com pão e misturas. Perto das sete horas já estava na bodega ajudando seu Medeiros abrir as portas. Com o passar do tempo angariou a confiança do patrão e começou a ajudar a atender a freguesia nos momentos de apuros.
               Marilda, a esposa de seu Medeiros e o filho José tomavam a frente na condução dos negócios. A filha, Conceição, de quinze anos, também ajudava no armazém, principalmente no caixa, pois era moça que havia estudado o bastante para fazer contas e escrever.
               Certa manhã, enquanto Antonio ajudava José a descarregar algumas sacas de feijão, eis que um burburinho se forma na frente do armazém. Alguns jagunços chegaram a cavalo e apearam, amarrando os animais num tronco ao lado do armazém. Os fregueses saíram apressados, com medo de represálias dos homens mal encarados.
               Antonio e José deixaram o depósito e se aproximaram do balcão para ajudar seu Medeiros no atendimento. Cinco jagunços entraram e se posicionaram em pontos estratégicos nos cantos da sala enorme.
               Em minutos entrou um jovem com roupa clara, chapéu cinza e botas pretas, que se dirigiu ao balcão onde seu Medeiros estava esperando para atendê-lo.
               ― Bom dia! – disse o jovem ao bodegueiro.
               ― Bom dia! – respondeu seu Artêmio, sorrindo para o moço.
               ― Preciso de uma sela e de alguns apetrechos para a lida campeira. O senhor pode me mostrar alguns modelos? – a pergunta do jovem fez com que José se adiantasse e o conduzisse até um canto do armazém onde estavam expostos os produtos para cavalos e campeirismo.
               O moço olhou detidamente as selas, conversou com José que era entendido no assunto, e acabou comprando uma sela especial, um laço de doze braças, um poncho, um chapéu e uma camisa branca de mangas compridas.
               Quando se dirigiu ao caixa para pagar a conta não deixou de notar a moça bonita que estava do outro lado do balcão. Cumprimentou-a e alcançou o dinheiro para saldar a compra. Seus olhares se cruzaram e o jovem sorriu, agradecendo o atendimento e se retirou, seguido pelos jagunços.
               Antonio estava lívido, encostado num canto do balcão. Até no fim do mundo reconheceria seu filho, pois ele era a imagem de sua esposa assassinada e tinha alguns traços seus. O homem quase desmaiou quando viu o jovem conversar. Até a voz era parecida. Num ímpeto correu para a porta e viu o jovem montar a cavalo em meio aos jagunços e seguir pela estrada para o norte.
               Teve vontade de segui-los para saber aonde iam, mas a precaução tomou conta de si, pois sabia que com a jagunçada não se podia brincar que era morte na certa. Guardou para si o segredo e retornou ao serviço no depósito procurando disfarçar sua emoção.
                
 

Luiz Marini - Livros

kiko_e_malhado.jpg
Clique na imagem para acessar


Para refletir

"A paisagem social da Terra se transformaria imediatamente para melhor se todos nós, quando da condição de espíritos encarnados, nos tratássemos, dentro de casa, pelo menos com a cortesia que dispensamos aos nossos amigos." (André Luiz)