Centro Espírita Dr. Adolfo Bezerra de Menezes

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte

CAPÍTULO 11: Transformação

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

<<< Anterior... 

CAPÍTULO 11
 
 
 
             Transformação                      

 
                                   Antonio deixa de ser andarilho começa a
                                  trabalhar e sente que está acontecendo
             uma grande transformação.



               Seu Medeiros levou um susto quando viu o andarilho entrar no armazém. Havia cortado o cabelo e a barba e estava transformado em um novo homem. O bodegueiro sentiu que podia confiar no homem que adentrava seu estabelecimento, pois seu tino para conhecer pessoas nunca falhava. Algo lhe dizia que o andarilho era uma boa pessoa que havia decaído na vida por motivos desconhecidos.
               Seu Artêmio entrou em seguida e aproximou-se do balcão onde seu Medeiros estava escorado.
               ― Sabe seu Medeiros que encontrei a pessoa que o senhor precisa para trabalhar no depósito da bodega? – perguntou seu Artêmio com esperanças de arranjar serviço para o homem.
               ― Ele sabe trabalhar com secos e molhados? – a resposta foi na forma de pergunta.
               ― Ele sabe trabalhar com qualquer tipo de serviço. Dê a oportunidade para o homem sair da situação em que se encontra e o senhor não se arrependerá – respondeu seu Artêmio.
               ― Vamos tentar durante um mês para ver no que dá – assentiu o bodegueiro.
               ― Ele vai trabalhar com meu filho, Pedro, e com o seu filho José, e com certeza vão se acertar no serviço.
               ― Onde ele vai morar? – a pergunta do bodegueiro era para se certificar de que o homem teria um lugar adequado para viver.
               ― Arranjei um quarto na casinha nos fundos de minha morada. Por enquanto ele vai ficar por lá – a resposta de seu Artêmio tranquilizava o bodegueiro que desejava que o andarilho recomeçasse a vida tendo o apoio necessário para não voltar a beber e ter uma recaída. – Acredito que estará bem em nossa companhia.
               O homem começou a lida de serviço no depósito acompanhando José e Pedro em tudo que fosse necessário. Por adiantamento de salário recebeu roupas, calçados, chapéu e uma carteira onde guardaria algum dinheiro.
               Com o passar do tempo o andarilho começou a recordar seu passado e a confidenciar suas tristezas com seu Artêmio e a esposa. Redescobriu quem era, reviu seu passado e a morte de seus filhos e da esposa. Não conseguia esquecer o que fizeram com seus familiares, mas sabia que os inimigos ainda estavam vivos, andavam pela região e os deixava à mercê de Deus para que pagassem seus pecados quando chegasse a hora.
               Dona Anastácia vislumbrou naquele homem um triste peregrino que necessitava de apoio em seu sofrimento e da mão amiga que o conduzisse por caminhos melhores. Por isso procurou ajudá-lo naquilo que se fizesse necessário e o seu auxílio logo começou a render bons frutos.
 
                

 

 

Luiz Marini - Livros

kiko_e_malhado.jpg
Clique na imagem para acessar


Para refletir

"Além da terra, além do infinito, eu procurava em vão o céu e o inferno. Mas uma voz interior me disse: O céu e o inferno estão em ti mesmo." (Omar Kháyyám)